[THE HOLLYWOOD REPORTER] Kesha Adverte que sua carreira acabará sem Mandado de Segurança contra Dr. Luke | Kesha Brasil

Post publicado por Samuel D
21.09

dr_luke_kesha_a_l

Alguma claridade poderia estar vindo na batalha legal entre a pop star Kesha Rose Sebert e o compositor-produtor Dr. Luke (Lukasz Gottwald). Isso porque Sexta-Feira, a ação foi para liminar, significando que um julgamento em Nova Iorque será feito em breve para determinar se Kesha poderá suceder nos meritos de uma reivindicação que os contratos de gravação seriam anulados.

A disputa se iniciou em outubro do ano passado, quando Kesha alegou ter sido vítima de abuso violento por Dr. Luke, incluindo uma queixa de que ele a drogou e a estuprou. O produtor arquivou suas própias reivindicações contra Kesha, dizendo que a disputa é uma tentativa de extorquir ele em troca de liberar ela de seus contratos com a, Kemosabe Records, gravadora dentro da Sony.

Em documentos judiciais, na Sexta-Feira, o advogado de Kesha, Mark Geragos, disse ao juíz porquê uma determinação é necessária em breve. “Até que o Tribunal de Justiça delibere sobre o pedido de sentença declaratória, Kesha está num impasse”, declara uma nota diplomática que apoia uma liminar que barraria Dr. Luke de interferir em qualquer contrato que a cantora assinasse com outra gravadora. “Ela não pode trabalhar com outros produtores, editores ou gravadoras musicais para lançar músicas novas. Sem músicas novas para apresentar, Kesha não pode sair em turnê. Fora do rádio e do palco e fora dos holofotes, Kesha não pode vender produtos, receber patrocínios, ou ganhar atenção da mídia. A marca valiosa dela caíu, e a não ser que a Corte emita essa liminar, Kesha irá sofrer danos irreparáveis, despencando a sua carreira onde não haverá volta.”

Em apoio, Kesha apresentou uma declaração de Jim Urie, ex-presidente e diretor executivo da Universal Music Group Distribuition de 2003 até janeiro passado. Ele concorda que sem uma liminar a carreira dela está acabada: “Nenhuma companhia de distribuição popular irá investir o dinheiro necessário para distribuir canções para uma artista que caiu fora do interesse do público, como está acontecendo com Kesha, nesse momento,” ele diz. “Portando, se Kesha não puder voltar imediatemente a gravar e ter a sua música promovida, comercializada e distribuida por uma grande gravadora, a carreira dela está efetivamente acabada.”

Kesha por si só apresentou uma declaração que repete a história de seu relacionamento de dez anos com Dr. Luke, além de acrescentar novas alegações. Eles se conheceram depois que ela fez 18 anos. Ela diz que em uma ocasião, eles foram para uma festa e ela tomou bebidas alcoólicas. Mais tarde, ele supostamente lhe deu uma pílula, e Kesha diz que acordou mais tarde em sua cama.

Em sua última declaração, ela também diz que ele “tomou crédito por canções que ele não escreveu para um programa de televisão que ele nem chegou a produzir” e, após ele ter supostamente decidido que Kesha não era boa compositora o suficiente, ele chamou Will.i.am para escrever um verso para Kesha cantar. “Eu sei que não posso trabalhar com Dr. Luke,” ela diz. “Eu não posso fisicamente. Eu não me sinto segura de qualquer forma”.
Enquanto isso, a Sony está pesando sobre o caso pela primeira vez. A empresa disse ao juiz que foi “apanhada no fogo cruzado”.
Depois de ter processado Dr. Luke, Kesha incluiu a acusação de que a Sony apoiou e ratificou o comportamento de Luke. Ela alega que a enorme indústria da música coloca artistas do sexo feminino “em perigo físico, dando ao Dr. Luke controle criativo e administrativo por completo”. Sony e Kemosabe estão exigindo a rejeição de tais alegações, apoiando Dr. Luke, chamando Kesha para uma “tentativa transparente e equivocada de renegociar seus contratos”.
Sony argumenta que suas reivindicações não fornecem nenhuma responsabilidade corporativa e aponta para a admissão de Kesha que o Dr. Luke supostamente veio intimidado-a em silêncio.
“Esta admissão – que Kesha nunca havia falado ou denunciado a suposta má conduta – é fatal para todas suas alegações contra a Sony e Kemosabe Records”, argumenta. “Em suma, Sebert não pode ter as duas coisas: Ela não pode alegar que Luke a intimidava em silêncio, então – como uma reflexão tardia aparente – procurou assegurar Sony e Kemosabe Records como responsáveis por não agirem sobre a conduta que ela não relatou”.
Matéria original: http://www.hollywoodreporter.com/thr-esq/kesha-warns-her-career-will-825685
Traduzido por: Natália H. e Samuel D. (KSBR)


Twitter



Facebook



Entre no Estilo