Post publicado por Samuel D
23.02

Lena Dunham chamou atenção ao falar sobre o que acha da situação de Kesha, a atriz não se contentou com os 140 caracteres do Twitter e resolveu redigir um texto expondo sua insatisfação com fato de estarem favorecendo Dr. Luke no tribunal. Confira o texto sintetizado:

Quando eu vi o resultado do caso de Kesha na última sexta me senti enjoada. Literalmente enjoada – Quis pedir para meu motorista do Uber parar para que eu pudesse vomitar em uma lata de lixo de Nova Iorque. As fotos de seu lindo rosto cheio de lágrimas, o uso necessário porém repugnante da palavra “alegação” em relação a algo que ela diz se lembrar claramente –  isso tudo resultou num tipo especial de enjoo, o que vem quando acontecimentos públicos se cruzam com seus mais privados traumas. […] Sony poderia deixa essa situação passar reto, mas em vez disso a empresa escolheu se envolver em uma longa batalha judicial para proteger a participação de Luke no futuro de Kesha. Embora a empresa insiste que Kesha e Gottwald nunca precisarão estar juntos em uma sala e que ele permitirá Kesha gravar sem o seu envolvimento direto, eles estão minimizando o que Kesha diz a respeito de que o envolvimento de Luke em sua carreira vai afetar seu bem-estar físico e sua segurança psicológica. […] A juíza Shirley argumentou que não seria apropriado “quebrar um contrato que foi fortemente negociado.” Adivinha o que mais é fortemente negociado? Um contrato humano, que diz que não vai haver agressão um ao outro fisicamente e verbalmente! […] Por exemplo: 19 estados na América ainda permitem estupradores a ter direitos parentais sobre crianças concebidas através do estupro, levando a mulher (e seus filhos) a ataques por toda a vida, um inimaginável ciclo de revitimização. Mas isso é real. O mesmo homem que abusou violentamente de você pode ter o direito de ninar o bebê que resultou desse abuso. Uma grande parte do argumento de Kesha está na afirmação de seu advogado, que Gottwald, enfurecido pelas alegações de abuso sexual, faria esforço para enterrar os próximos álbuns de Kesha, impedindo-a sobre ganho publicitário e mais tarde lucrar em cima de seu trabalho. Esse tipo de controle é um pilar do abuso doméstico, e é muito comum: de acordo com a Rede Nacional para Acabar a Violência Doméstica, abuso financial está em 98% dos casos de relacionamentos abusivos. Quando uma mulher não está no controle de seu destino financial, porque o marido é “chefe de família” ou porque ele toma as decisões por toda a família, o mundo dela fica minúsculo. Seus recursos evaporam. O medo domina. Essa não é a única forma que laços legais fazem impossível uma mulher escapar de seu abusador. Alguém que eu amo muito estava presa numa batalha de anos para permitir-se mudar junto com sua filha pequena para onde seu negócio bem-sucedido estava e para longe de seu abusador. Se ele não pode te controlar diretamente, ele fará de tudo para ter certeza que suas escolhas são na verdade as escolhas dele. Em alguns casos, vitimas de violência domestica podem até ser despejadas de casa por ter chamado a policia para seus abusadores. Isso acontece com mais frequência com mulheres pobres, por isso 20% de moradoras de rua dizem que estão nas ruas por causa de seus parceiros abusivos. Essas mulheres merecem o melhor. Elas não escolhem ter sua reputação manchada e seu caráter questionado como uma tática de conseguir o que querem. E se a gente perceber que a mulher que busca ajuda tem tudo para perder, não importa se elas são estrelas do pop ou mães solteiras? […] O fato é que Kesha nunca vai ter uma atestado de um médico. Ela nunca terá um video que nos mostre que Gottwald a ameaçou e a humilhou, e ela nunca poderá provar, além do poder do testinhmuo dela, que ela está insegura trabalhando com esse homem. E não, nada disso estava no contrato dela. Mas que homem, que companhia se esforça para manter uma mulher selada com alguém que ela diz ter causado anos de trauma, vergonha e medo? Lutando essa luta publicamente e no sistema legal já mudou o curso e sentido da carreira dela para sempre. A falta de perspectiva da parte da Sony – a inabilidade de ver o valor dos discos de platina de uma mulher versus o valor da alma dela estar intacta – é horrível. O clamor público sobre o caso da Kesha tem video realmente animador: o tanto de choque e indignação dos fãs e performers. Não foi há muito tempo que mulheres no olho público não tinham uma coleira larga o bastante para dar apoio uma a outra, por medo de perder tudo que elas trabalharam tanto para criar. Ao invés disso, elas assistiram silenciosamente nas suas televisões, esperando que não fossem ser as próximas. Esses dias acabaram. Eles chegaram ao fim. Nós não estamos mais com medo de perder o que trabalhamos por, de de ser rotuladacomo histérica ou difícil, de ser visadas e silenciadas por homens no poder. As mulheres da indústria musical falando sobre Kesha são a prova. E as palavras delas irão repercutir, inspirando as mulheres jovens as assistindo por dicas da boa vida de se manifestar também. Em breve, ninguém irá aceitar humilhação e medo como eram antes. E então, enquanto Kesha está silenciada indefinidamente, sua voz nunca foi tão alta.”

Não demorou muito até que a mensagem chegasse a Anne Hathaway, que abraçou o movimento #FreeKesha e usou seu facebook para compartilhar o texto:

“Eu apoio a Kesha. Se você não estives familiarizado com o caso, Lena Dunham fez um brilhante trabalho essa semana no Lenny [site de entretenimento] explicando o pesadelo no qual Kesha se encontra. A situação de Kesha é apenas um de muitos exemplos de como o sistema judicial desse país deixa de proteger as vítimas de violência doméstica e de violência sexual, dos quais a grande maioria são mulheres. Por favor, compartilhe e acrescente sua voz e seu apoio! #FreeKesha”

I stand with Kesha. If you are unfamiliar with the case, Lena Dunham does a brilliant job in this week’s Lenny…

Publicado por Anne Hathaway em Terça, 23 de fevereiro de 2016



Twitter



Facebook