Pebe conta detalhes sobre a relação entre ela, Kesha e Dr. Luke em entrevista exclusiva | Kesha Brasil

Post publicado por Pedro I.
10.03

Hoje (10.03), Pebe concedeu uma entrevista exclusiva para a revista digital norte-americana Billboard, para falar sobre a relação de mais de 10 anos entre sua filha e o produtor musical, acusado de estupro pela Kesha, Dr. Luke. A entrevista durou horas, com Pebe, pelo telefone, em Nashville. Kesha se recusou a dar uma entrevista.

Na matéria, a Billboard lembra que Kesha não lançou nenhum projeto fonográfico (dela mesma) novo, desde Warrior, em 2013, porque se recusava a voltar a trabalhar com Dr. Luke e a Sony Music. Pebe disse: “Kesha tem permissão para trabalhar com outros produtores, mas somente os produtores aprovados pelo Luke. Aí ele começa a aprovar apenas com quem ele já trabalha. Ele tem a palavra final sobre tudo”.

“Foi como se alguém te batesse e te prendesse numa cadeia todos os dias e, em seguida, lhe oferece um pedaço de pão. Luke dizia: ‘você está linda’ e a deixava feliz, porque ela já estava preparada para tudo, menos o abuso”.

Billboard também relembra da repercussão que o caso entre Kesha e Luke ganhou desde o dia que Kesha apareceu no tribunal. Ao dizer sobre Taylor Swift, que doou 250 mil dólares para Kesha no dia 22 de fevereiro, Pebe comentou: “Foi do nada”. “Recebi um e-mail do empresário de Taylor sobre a oferta. Kesha disse: ‘você tem certeza de que não é um spam?’ e logo após ela: ‘eu ficaria honrada se ela quer fazer isso'”. Logo após, Kesha conversou diretamente com Taylor.

“Eu queria que a Kesha tivesse acabado esse relacionamento há muito tempo, desde o estupro”, diz Pebe. “Mas ela queria ter uma chance na indústria da música, então ela não teve escolha senão [a trabalhar com ele]”.

Kesha provou ser um talento. “Ela é uma das melhores co-autores que eu já trabalhei”, diz Justin Tranter, compositor que também trabalhou com Selena Gomez e Justin Bieber. “Seu instinto de melodias e letras é do mais alto nível”.

Sobre o dia do suposto estupro, na festa de aniversário de Nicky Hilton, em 2005, a Billboard tem uma testemunha que confirma que Kesha e o produtor estavam na festa, mas diz não ter visto nada de estranhos entre os dois.

Pebe disse que no dia seguinte ao acontecido, ela tentou ligar várias vezes para a Kesha durante a tarde, já que elas costumavam falar por horas no telefone. Kesha então retornou as ligações. “Mãe, eu não sei onde estou. Eu acho que nós [Kesha e Luke] fizemos sexo. Estou ferida e doente. Eu não sei onde minhas roupas estão. Eu acho que eu preciso ir para o hospital”, disse Kesha quando estava nua e onde achava ser um quarto de hotel do Luke. Em seguida, a bateria do celular da Kesha acabou e Pebe não teve outro contato com a Kesha até ela conseguir ligar de um telefone fixo do hotel.

Pebe também disse que, após um amigo de Kesha ter levado ela até seu quarto, ela acabou não indo ao hospital. “Olhando para o passado, eu não sei por que eu não fui à polícia. Kesha disse para eu não fazer nada: ‘Mãe, eu só quero cantar. Eu não quero ser uma… vítima de estupro. Eu só quero que minhas músicas sejam lançadas”. ” Eu não segui meus instintos”, disse Pebe sobre o fato de não ter ido dar queixa na polícia.

Dois meses depois, Kesha e Pebe foram convidadas por Max Martin e Luke para um restaurante, afim de decidir quem seguiria como empresário da Kesha (Max Martin se recusou a comentar sobre isso). Kesha queria o David Sonenberg, da DAS Communications, que já havia trabalhado com o Black Eyed Peas e The Fugees, e que ela conhecia através de um amigo da indústria. No entanto, de acordo com Pebe, Luke queria Larry Rudolph, que trabalhou com Britney Spears na maior parte de sua carreira. Kesha acabou em lágrimas e Luke frustrado. Kesha e Luke não se falaram novamente por dois anos e, sem o conhecimento do Luke, Kesha assinou com Sonenberg e começou a procurar por uma gravadora.

Após uma negociação falhada com a Warner, pelo fato de Dr. Luke ter descoberto e impedido o contrato, Kesha disse para sua mãe: “Sempre que eu conseguir um contrato, ele vai atacar e basicamente dizer que ele é meu dono”.

Em um vôo para Los Angeles, depois de Kesha assinar com a RCA, Luke forçou a cantora a inalar uma droga ilícita e iniciou jogadas sexuais pra cima da cantora. Kesha teria contado sobre o que estava ocorrendo, ainda dentro do avião, para sua mãe por telefone, “Ela me disse que se sentia muito mal e estava tentando se afastar dele e depois vomitou”.

Pebe também afirma que Dr. Luke interferiu em sua relação pessoal e profissional com a Kesha durante a gravação de seu álbum de estreia, Animal. Ele se recusou deixá-la trabalhar nas músicas. Em 2013, ela enviou e-mails, confirmados pela Billboard, a Dr. Luke e sua equipe, sobre os maus-tratos que Kesha estava sofrendo por parte de Luke, dentro e fora do estúdio, incluindo o suposto estupro. Pebe diz que ele nunca retornou os e-mails.

Um ex-executivo da Jive disse que Luke “tem um ego enorme” e é conhecido por ser “difícil” de trabalhar. Um gestor que conheceu Luke por mais de 20 anos, diz: “Lucas é uma pessoa terrível. Ele é muito talentoso, obviamente, mas ele é diabólico. Ninguém gosta de lidar com o cara. Este caso com a Kesha é um exemplo perfeito”.

O foco que Luke teve na Kesha só se intensificou com seu sucesso, a partir de 2010: “Isto é, quando Luke começou realmente a ficar detestável”, diz ela. “Ele viu ela como uma vaca de dinheiro e começou a manipulá-la o tempo todo. Ela pensou que todos os seus sonhos foram, finalmente, se tornando realidade, mas isso foi apenas uma maldita viagem ao inferno”.

Durante a gravação do Warrior, Kesha disse que foi ridicularizada em relação ao seu peso, por Luke. “Ele me incentivou a não comer, mesmo quando eu estava oito dias sem comida sólida e ter pulado refeições para malhar duas vezes por dia”.

Em uma das canções, de acordo com Pebe, Luke queria que Kesha adicionasse uma letra que incluía a frase “algumas cadelas gordas no bar”. “Ela nunca diria algo assim. Nem em um milhão de anos”, diz um colaborador da Kesha. “De maneira alguma Kesha iria querer degradar um certo tipo de corpo em uma canção”.

Pebe diz que Luke constantemente criticava Kesha, dizendo coisas como: “Katy Perry é muito melhor que você. Você não é uma boa compositora”, depois que ela trabalhou longas horas no estúdio. Kesha e Katy Perry eram amigas mais próximas, antes que ambas ficaram famosas”, diz Pebe.

Pebe lembra que em 2012 Dr. Luke começou a gritar com a Kesha e ela durante três horas no estúdio. Ela fugiu para seu carro e mandou uma mensagem a sua mãe: “.. Mãe, eu não estou brincando, estamos indo para o México! Foda-se o negócio da música”.

A mãe da Kesha afirma que desde quando a Kesha saiu da clinica de reabilitação, estava fazendo terapia e sabia que sua vida não seria saudável se continuasse presa ao contrato com o Dr. Luke. Ela também afirma que Sonenberg, da DAS, é o único, além das duas, que sabe sobre o estupro.”

“Dr. Luke, basicamente, tem o poder sobre Kesha até sua morte. Ela não pode lançar, legalmente, nenhuma música nova, ou ele pode e vai processá-la”, diz Pebe .

“Artistas ficam presos em  ontratos horríveis e muitas vezes não têm o poder de dizer ou fazer qualquer coisa sobre isso, mas a situação da Kesha está em um nível totalmente diferente”, diz compositor Tranter. “Para ser tão valente, para ser tão honesto como ela está sendo, é uma das coisas mais inspiradoras que eu já vi”.

FONTE: Billboard



Twitter



Facebook



Entre no Estilo