Post publicado por Samuel D
07.08

A slant magazine divulgou uma review do “Rainbow”, novo álbum de Kesha com lançamento programado para dia 11. A revista falou bem do material, dando-o 3,5 de 5 estrelas. Confira a opinião do veículo de mídia:

O álbum abre com a devidamente intitulada “Bastards”, que começa como uma bocejane balada country antes de entrar em um brilhante estilo “Hey Jude” suavizada por algumas guitarras elétricas. A faixa serve como uma declaração de propósito: “Fui subestimada a minha vida inteira / Eu sei que as pessoas vão falar merda, e querida, está tudo bem” – se sente como uma reintrodução estilisticamente perturbadora de Kesha como artista. Ela não perde tempo, no entanto, lembrando-nos de que ela ainda é capaz de zombar da irreverência. Como em “Bastards”, a faixa “Let’s Em Talk” assume os “haters” de Kesha, mas o faz com um senso de humor acerbado quando canta: “Chupe meu pau”, em uma voz angelical.

Como sua batalha legal contra o Dr. Luke ainda não foi resolvida, Kesha caminha numa linha delicada por todo o álbum, sem medo de se tornar pessoal, mas consciente das propriedades universais de uma boa música pop. O carro-chefe do álbum, “Praying”, funciona como uma música de separação no estilo de Adele e um pouco de abuso: “Bem, você quase me enganou / Disse-me que eu não era nada sem você.”. Ao entregar seu testemunho, a trilha desenvolve lentamente – com cordas, bateria e, finalmente, um coro – antes do clímax com um arrepiante lamento da cantora, que parece ter passado mais de meia década para fazer.

Em outros momentos, “Learn to Let Go” pretende inspirar-nos a relevar o passado, com palavras de sabedoria da Kesha, temperadas com uma dose saudável de ceticismo: “Eu sei que sempre digo a todos que você não precisa ser uma vítima”. Para todos as mensagens genuínas do álbum e diretrizes de auto-ajuda sinceras, ela nunca se leva muito a sério. Apesar da falta de cânticos sobre álcool, a personalidade turbulenta de Kesha permanece intacta em músicas como “Boots”, anulando qualquer suspeita de que sua imagem de “garota-festeira” fosse uma criação de estúdio: “Se você não consegue lidar com essas garras, então não pegue essa gatinha”, ela canta.

Criada em Nashville, Kesha mergulhou os dedos pela primeira vez nos pops-country com “Wonderland” do “Warrior”, mas ela mergulha ainda mais fundo em canções como “Hunt You Down” e a encantadora bagunça acústica de “Godzilla”. Ela até faz um cover de “Old Flames (Can’t Hold a Candle To You)”, uma música co-escrita por sua mãe, Pebe Sebert, no final dos anos 70 e popularizada por Dolly Parton, que também tem sua participação aqui. Essa interpretação é desnecessariamente estridente, em comparação com a versão anterior da Dolly e a anterior e fantasmagórica da Kesha. Rainbow possui uma autenticidade – e uma sensação de diversão desenfreada – que a “Joanne” de Lady Gaga não tem.

Rainbow provavelmente não passaria o teste retórico de objetividade crítica: se não fosse um álbum da Kesha, é improvável que alguém percebesse isso. Mas, embora não seja a descoberta de um novo talento, certamente é o aprofundamento de um talento já existente em uma longa lista de estrelas pop femininas que inicialmente ofereciam uma agência criativa e “profissional limitada”, agora tentando explodir o patriarcado.

FONTE: Slant Magazine


Post publicado por Pedro I.
03.08

Hoje (03.08), o site Headline Planet anunciou que a cantora Kesha tem performance marcada para a véspera do lançamento do álbum “Rainbow (10.08) no programa “Tonight Show Starring Jimmy Fallon”.

Como o programa inicia poucos minutos antes de dar meia-noite e sua performance está programada para ocorrer no final do programa, ao encerrar a performance, o álbum “Rainbow” já estará disponível nas plataformas digitais, sendo assim uma ótima maneira de alcançar maior engajamento.

Sua última vez no programa foi em 2014. Confira:

FONTE: Headline Planet


Post publicado por Pedro I.
03.08

Provavelmente, a experiência mais poderosa que já tive como artista é ter fãs que dizem que tal música ou álbum ajudou-os em momentos difíceis.  Alguns deles chegaram a dizer para mim que minha música ajudou a salvar a vida deles. Isso é difícil de compreender, e enquanto eu viver, nenhuma outra honra igualará isso. Ouvir essas palavras dos fãs me transformou.

Eu acho que uma das razões pelas quais minha música se conecta com pessoas que sentem que não se enquadram é porque eu nunca me encaixo – é por isso que a música “Hymn” é tão especial para mim. O título original foi “Hymn for the Hymnless”. E quando eu digo “hymnless”, estou falando de pessoas que sentem que não se encaixam, pessoas que não têm um hino.

É assim que sempre me senti – nunca houve um grupo que fosse inteiramente meu. Os versos são: “Este é um hino para os que não se encaixam, crianças sem religião”. A religião, para mim, nesta música não significa necessariamente a religião como na sua crença espiritual, mas sim como crianças sem um modo de vida definido. Eu ainda estou tentando descobrir o que eu acredito e o que está no meu coração, e eu sei que não estou sozinha. Minha mente e minhas opiniões continuam mudando e expandindo.

Acho que nunca houve um momento mais importante para os sonhadores serem sinceros sobre suas crenças do que agora. Eu estava lembrando de alguns momentos em que saí às ruas no ano passado para saber o que sentia sobre certos problemas ao escrever versos como “Go on, read about us in the news… After all we’ve been through/ No, we won’t stand and salute … If we die before we wake/ Who we are is no mistake/ This is just the way we’re made”. Eu nunca vou parar de lutar pela igualdade para todos os seres humanos. Essa é a paixão por trás dessa música.

Esta música é dedicada a todos os idealistas do mundo que se recusam a dar as costas ao progresso, ao amor e à igualdade quando são desafiados. É dedicado às pessoas que saíram pelas ruas do mundo todo para protestar contra o racismo, o ódio e a divisão do que for. Também é dedicado aos que sentem que não são entendidos pelo mundo ou não são respeitados por ser quem são. É uma canção esperançosa sobre todas essas pessoas – que eu também me considero – e o poder que todos nós temos quando estamos juntos.

Eu escrevi a música com minha mãe (Pebe Sebert), Cara Salimando, Jonny Price e o gênio galáctico Ricky Reed. Por causa do assunto desta música, eu tive que trabalhar com a minha mãe na composição – como eu, sua cabeça está acima das nuvens, no espaço. Eu sou uma alma frágil para este mundo – Eu sinto que vivo por algo inexplicável e mágico no espaço sideral. Eu adoro essa ideia de pessoas com filosofias semelhantes reunidas, e essa foi uma das inspirações para essa música.

Espero que esta seja uma dessas músicas que conectam com aqueles que se sentem rejeitados, especialmente com os jovens de hoje crescendo com a internet, porque o bullying hoje é tão assustador devido a toda a tecnologia. Isso acaba com o meu coração ao ouvir sobre crianças sendo atacadas online sendo tão jovens e sensíveis. Eu creio que ninguém deve ser submetido ao assédio e ao ódio, e isso inclui na internet. Eu sei que, por experiência pessoal, esses tipos de comentários podem ser muito mais do que doloroso. Esses comentários podem realmente prejudicar a autoconfiança e a auto-estima. Então, quando canto a letra desta música, faço isso para lembrar que não podemos deixar que os haters e a negatividade ganhem. Sabemos “que somos perfeitos, mesmo quando estamos fodidos”. Somos todos “sonhadores que procuram a verdade”, e sabemos que o inexplicável bem universal nas pessoas – o amor inato, a luz e compaixão de um pelo outro – nos unirá para fazer ótimas coisas.

Confira agora “Hymn”, quarta faixa liberada do álbum “Rainbow”:

FONTE: Mic


Post publicado por Pedro I.
01.08

Hoje (01.08) o site oficial da Kesha divulgou novas datas da “Rainbow Tour”, que já tinha algumas datas reveladas dias atrás.

Até o momento, 25 shows foram anunciados, sendo 22 deles nos Estados Unidos, um no Canadá e outros dois para o Summer Sonic Festival, no Japão, ainda neste mês de agosto.

Entre os shows anunciados para os Estados Unidos, um deles também será em um festival: “Kaaboo Del Mar”, na Califórnia.

Para a maioria dos shows a venda está indisponível no momento, mas algumas casas de shows já divulgaram que os ingressos variam de US$40 a US$50. Na compra de um par de ingressos, você também recebe o álbum Rainbow em versão física.

O mapa de setores e do palco para os shows solos ainda não foram anunciados.

No anunciamento pela sua conta no Instagram, a cantora agradeceu aos fãs, disse que não conseguiria chegar até este momento sem nós e convidou a todos para participar desta turnê. Confira:

? ANIMALS! ???? I’m going on tour! I would not have made it to this point without you so come out and join the celebration with me. Let’s boogie! ♥️ Register for pre sale now. Link in Bio

Uma publicação compartilhada por Kesha (@iiswhoiis) em


Post publicado por Pedro I.
14.07

Hoje (14.07), o site norte-americano Billboard divulgou uma entrevista com a The Dap-Kings, banda de funk/soul que tem participação em “Woman”, 2ª música liberada do álbum Rainbow, da Kesha.

Durante a descrição do momento de produção da faixa, Cochemea Gastelum, que comanda o sax barítono na banda, disse que o irmão da Kesha, Lagan Sebert, estava filmando a sessão de estúdio. Confira o trecho da entrevista:

“Nós fomos como, ‘Sim, vamos lá!'”, disse Gastelum. “A letra parecia legal… então, quando entramos no estúdio, ela apareceu e a vibração foi muito boa. Seu irmão estava lá filmando. Era uma verdadeira vibe de família, que é como também produzimos, então foi um bom encaixe”.

Como sabemos, Lagan foi quem realizou, junto com uma equipe em alguns momentos, as filmagens das duas temporadas do “Kesha: My Crazy Beautiful Life”, série transmitida pela MTV e que, em duas temporadas, mostrava o dia-a-dia da cantora Kesha e sua equipe durante sua primeira turnê mundial (a Get Sleazy), o processo de composição e produção do álbum Warrior e também da Warrior Tour.

FONTE: Billboard


Post publicado por Samuel D
30.06

Hoje, 30/06, um anuncio misterioso dentro do applicativo Anghami informou o lançamento do single da Kesha intitulado “Praying” para o dia 8 de Julho. Segundo o fã responsável pelo print, o anúncio saiu do ar logo em seguida. Nenhuma outra fonte confirmou a notícia e não temos certeza da veracidade do mesmo, mas a foto da cantora presente no app é inédita.


Post publicado por Natália H.
24.02

De acordo com o tabloide americano TheWrap, Kesha está no elenco da série animada Highly Gifted, junto com Drake Bell e Ron Funches.

Kesha dará voz à personagem Tess, descrita como uma ativista progressista que educa todo mundo sobre igualdade salarial e justiça ambiental direto da imensa mansão com seis garagens dos seus pais.

Por enquanto não há uma data oficial de quando a série irá estrear.

 

Fonte: http://www.thewrap.com/kesha-to-star-in-maker-studios-highly-gifted-animated-series/

 


Post publicado por Natália H.
15.02

O tabloide americano Page Six liberou hoje uma série de e-mails mandados por Dr. Luke à agente de Kesha confirmando as alegações dela sobre ele. Veja o artigo traduzido:

 

“A cantora de ‘Cannibal’, Kesha liberou uma série de e-mails comprometedores em sua busca legal para romper laços som o produtor musical Dr. Luke com alegações de que ele era abusivo mentalmente e fisicamente — incluindo um onde ele a critica por quebrar uma dieta com uma Coca-Cola Diet e outro citando ele dizendo a ela ‘eu estou pouco me f-dendo para o que você quer.’

Um ano após, uma juíza em Manhattan decidir que Kesha não poderia sair de seu contrato de gravação exclusivo com Sony e Dr. Luke sob alegações de que ele havia a estuprado e a chamado de “uma p-rra de um refrigerador gordo,” Kesha está pedindo à jurista para reconsiderar.

Kesha quer ser ‘livre do seu abusador’ e ‘reconstruir a sua saúde física, emocional e mental,’ escreve o seu advogado nos papéis fichados essa semana

Dr. Luke negou as acusações.

Mas novos e-mails lançados entre Dr. Luke e a agente de Kesha, Monica Cornia dão crédito às acusações da performer que o produtor agia de forma cruel sobre o seu distúrbio alimentar.

‘Ninguém estava xingando ninguém,’ Dr. Luke escreve à Cornia ás 2:11 da manhã de 28 de Junho de 2012, segundo uma cópia do e-mail.

‘Nós estávamos tendo uma discussão sobre como ela pode ser mais disciplinada com a sua dieta. Houveram várias vezes que nós todos testemunhamos ela quebrando o seu plano de dieta. Desta vez — em particular aconteceu de ser uma coca-cola diet e um peru enquanto eles todos estavam fazendo a dieta do suco,’ o produtor se queixa.

Cornia pede a ele para ser mais solidário porque ela é ‘um ser humano, não uma máquina,’ então adiciona, ‘se ela fosse uma máquina seria bem mais legal e poderíamos fazer o que quiséssemos.’

Dr. Luke também revela em uma mensagem, mais cedo, que ‘Uma lista de compositores não querem dar as suas canções para a Kesha por causa do peso dela.’

Em uma troca de e-mails em Maio de 2012 entre Cornia, Kesha e outros agentes, Cornia discute uma briga entre a cantora e o seu produtor por causa de letras de música que virariam o seu hit single ‘We R Who We R.’

Em um e-mail, Cornia diz que Dr. Luke queria a frase ‘You see us in the club sip sippin bub,’ enquanto Kesha preferiu, “You see us in the streets we da we da freaks,” porque ela não vai à clubes.

‘Eu estou pouco me f-dendo para o que você quer. Se você fosse esperta você iria ir e cantar isso,’ Dr. Luke alegadamente disse à Kesha, segundo Cornia.

Cornia adiciona que Kesha tentou resolver a situação com Dr. Luke, mas ‘não se sentiu confortável falando com ele’ no estúdio.

“Ele se recusou descer as escadas (‘ela usa as calças na MINHA casa?’) então nós fomos embora,’ Cornia escreve, de novo citando Dr. Luke.

As duas partes (Kesha e Luke) estão agendadas para uma conferência por telefone com o juíz na semana que vem.”

 

Fonte: http://pagesix.com/2017/02/15/kesha-releases-heartless-emails-as-part-of-latest-dr-luke-lawsuit/

 

ATUALIZAÇÃO 16/02

Após a liberação dos e-mails de Kesha, a equipe de Dr. Luke lançou um comunicado oficial que alegam que os e-mails foram publicados fora de contexto. Veja o comunicado dado à Billboard:

“Kesha e seus advogados continuam a enganar por recusar a divulgação completa do material que mostra a má fé de Kesha Sebert e seus representantes que é muito prejudicial à eles. [os e-mails completos] Também mostram o grande apoio que Dr. Luke deu à Kesha sobre questões artísticas e pessoais, incluindo as preocupações de Kesha com o seu peso.

Ao invés de concordar em mostrar o material completo, Kesha e seus representantes publicaram, de maneira imprópria e sem a permissão da Corte. três e-mails fora de contexto que não mostram as reais situações dos eventos. Por exemplo, esses e-mails não mostram que a letra de “Crazy Kids” foi reescrita, de fato, à pedido de Kesha. Qualquer alegação contrária de Kesha está enganando o público—assim como as suas outras alegações sem mérito de maus tratos por Dr. Luke.

Dr. Luke aguarda ansiosamente pela reivindicação no tribunal.”

Publicação original: http://www.billboard.com/articles/news/7693416/dr-luke-kesha-emails-statement-lawsuit?utm_source=twitter&utm_source=t.co&utm_medium=referral


Post publicado por Pedro I.
08.02

Ontem (07.02), a South by Southwest anunciou Kesha como convidada para uma das conferências do festival que acontece entre os dias 10 e 19 de março.

No conferência, Kesha fará parte de um painel com Amy Emmerich, importante defensora do direito de igualdade e CEO da Refinery29, principal empresa de mídia que tem como foco o estilo de vida digital para mulheres. A conferência vais ocorrer dia 14, terá como tema impacto social e elas discutirão como combater o cyber-bullying, a importância de aprender a ser aberto quando enfrentar desafios da vida, e como a construção de uma comunidade de apoio é a chave para assumir o controle de sua vida.

A South by Southwest é um conjunto de festival de música, entretenimento e cinema junto com uma série de conferências, ocorrendo sempre em Austin, Texas, Estados Unidos.

FONTE: South by Southwest, Markers


Post publicado por Samuel D
18.01

Na última madrugada, o segundo episódio da segunda temporada de “Noisey: Nashville” foi ao ar. O programa em formato de documentário mostrou Kesha em uma entrevista em sua cidade de infância, Nashville, e como o ambiente influenciou na vida da cantora, como o amor pela música country. Em um certo ponto, Kesha não conseguiu conter as lágrimas ao falar sobre como os últimos meses foram para ela, emocionalmente falando. Confira o video* legendado:

Acompanhe o trabalho do Idolxfactor1: YoutubeTwitter | Instagram

*Segundo nosso parceiro, este foi o único trecho com Kesha no programa, porém se mais imagens forem divulgadas, atualizaremos o post.

Page 2 of 812345...Last »


Twitter



Facebook